fbpx

A Blocktime Coworking está dividida em duas unidades, Coworking Heroes, voltada ao público da economia colaborativa e a Coworking Saúde e Bem-Estar, para os profissionais da área.

Coworking Heroes:
Rua Galeno de Almeida, 188 – São Paulo

Contato:
coworking@blocktime.com.br
+55 11 3055-3400

Nossa sede está a 150 metros do Metrô Sumaré.

Coworking Saúde e Bem-Estar:
Rua Artur de Azevedo, 289 – São Paulo

Contato:
contato@blocktime.com.br
+55 11 3062-5824

Próximo a estação de Metrô Oscar Freire.

Qual a importância e como promover a diversidade nas empresas?

Imagem mostra colaboradores da empresa sorrindo para foto

Qual a importância e como promover a diversidade nas empresas?

Entenda com a Blocktime Coworking porque a cultura da diversidade nas empresas é tão importante e quais os principais passos para iniciar esse processo.  

Relevante desde que o mundo é mundo, ultimamente temos vivenciado muitas discussões e um movimento maior das organizações divulgando conteúdos a respeito de políticas de diversidade nas empresas. Mas será que essa é a realidade, ou ainda é um tema da superfície que precisamos aprofundar e trazer à tona cada vez mais?

Fato é que no universo corporativo, esse conceito tem ganhado cada vez mais relevância, principalmente diante da quantidade de benefícios que proporciona.

No artigo de hoje, a Blocktime Coworking compartilha com você a relevância da diversidade nas empresas e qual a importância de promover e instituí-la de fato nas organizações.  

 

Imagem mostra mãos de pessoas tocando

Bora conceituar?

A pauta nunca esteve tão em alta, mas afinal, você sabe o que significa diversidade? Ela se manifesta a partir das diferenças entre as pessoas, estabelecidas a partir de marcadores sociais. 

Alguns exemplos de marcadores mais utilizados: geração, gênero, raça, deficiência, orientação sexual e deficiência. Eles não têm fim, poderíamos passar o dia aqui: condição econômica, escolaridade, experiência profissional, forma de comunicação, etc. 

Ou seja, quanto mais falamos de pessoas, mais entendemos que ninguém é igual a ninguém, logo, a diversidade é algo que constitui o ser humano. Não há como existir, sem ser diverso. Então, por mais que insistam em colocar “todos” dentro de uma mesma caixa, a notícia boa é que: isso é impossível.  

Outros conceitos importantes de destacar são os da inclusão e da equidade. Inclusão é respeitar e valorizar as características individuais, referentes a cada indivíduo. Equidade é entender que, por conta dessas características individuais, não somos iguais e, por isso, é preciso adequar as oportunidades.

Quando percebemos que nem todos têm o mesmo acesso a privilégios econômicos, políticos, sociais e jurídicos, entendemos que é preciso encarar cada situação de forma diferente, esse é o caminho certo. 

 

E como promover a diversidade em minha empresa?

Depois de trazermos os conceitos de diversidade, inclusão e equidade, bora refletir? 

Imagine os dois cenários a seguir: no primeiro, temos um grupo de pessoas que possui vivências, opiniões, formações e diversas outras características semelhantes. No segundo, os indivíduos vêm de contextos extremamente diferentes, em diversas questões. A pergunta é: em qual dos dois existe um ambiente mais propício para a criatividade?

Quanto mais diferenças, mais ideias, mais percepções e, consequentemente, mais possibilidades para a resolução de problemas e novas formas de agir. 

Quando uma organização investe na diversidade, ela melhora o gerenciamento de riscos, traz novas oportunidades, expande o alcance e se comunica com mais clientes. Ou seja, a diversidade nas empresas deixou de ser apenas uma ação de RH e passou a ser uma estratégia de negócio

Ao entender essa relevância, elas passam a usufruir de diversos benefícios consequentes dessa mudança de atuação. Mas como promover, de fato, a diversidade nas empresas? Antes de tudo, é preciso que a intenção seja genuína. A partir daí, seguem alguns passos importantes:

 

“O jeito de ser” da empresa

Promover diversidade na empresa significa estar atento à necessidade de possuir profissionais pertencentes a todos os marcadores sociais. 

Para isso, é importante começar pela cultura organizacional. Esse é um dos primeiros passos: entender o contexto em que a organização está inserida e quais as necessidades iniciais.

Quais são os perfis que os gestores desenham ao contratar novos profissionais? São sempre os mesmos ou buscam por perfis diferentes aos que existem na equipe? Existe abertura para inovação, novas ideias e soluções de desafios? 

Uma das soluções, antes de implantar uma cultura de diversidade, é realizar uma pesquisa interna de clima organizacional que possa medir todos esses fatores e, o mais importante: a percepção que todos os grupos (maiorias e minorias) têm da inclusão e da equidade na empresa. 

Imagem mostra diversidade de colaboradores de uma empresa

Mapeamento dos colaboradores

Identificar e realizar um diagnóstico do quadro atual de funcionários é extremamente importante. A partir daí, será possível entender como ele é composto, quais os perfis, os potenciais, as maiorias, as minorias e grupos que nem sequer existem. 

Criação de programas de incentivo

É importante atrair, selecionar e reter todos os perfis de talentos. Para isso, é preciso divulgar vagas internas e internas, definindo perfis bem específicos.

Além disso, realizar palestras, treinamentos, divulgação de materiais também são ações que fazem parte da cultura da diversidade nas empresas.

Os colaboradores precisam enxergar que o discurso está caminhando além da prática e ao longo do tempo, perceber oportunidades de crescimento de carreira e ascensão a todos os grupos. 

Esses três passos são apenas o começo. Por vezes, será preciso encontrar profissionais experientes em implementar essas ações. Consultorias com esse know-how podem ser um  início promissor. 

Quando há sucesso na implementação dessa jornada, a empresa começa a enxergar naturalmente os benefícios: melhores resultados, menos conflitos internos, queda do turnover, maior criatividade nas equipes, fortalecimento da marca empregadora, aumento do engajamento e da employee experience, etc.

E, se você ainda não está convencido, acione a sua rede de networking! Busque empresas e contatos que têm se beneficiado e colhido diversos frutos dessa cultura que só faz bem. Depois, compartilhe com a gente os principais aprendizados!

Esperamos que você tenha gostado do artigo de hoje. Nós da Blocktime Coworking incentivamos a diversidade sempre: das culturas, das pessoas, dos espaços e da liberdade de ser quem quisermos ser! E, se você procura uma comunidade assim, #vemblockar com a gente! Nós estamos te esperando! Até mais!


João Marcos Guirau

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pelo SENAC SP, é fundador da Blocktime Coworking e sócio do grupo Blocktime, referência em operação e otimização de escritórios. Entusiasta da economia compartilhada, participa ativamente de grupos relacionados ao tema e adquiriu conhecimento e expertise em arquitetura e design para coworkings, sendo responsável pela gestão operacional dos espaços. Atua, desde 2015 como organizador do Encontro Coworking Brasil e apoiador de muitas das iniciativas relacionadas a este universo, está sempre buscando mais conhecimento sobre novas formas de trabalho, participando frequentemente de conferências internacionais sobre o tema.